Ritual do Matrimónio


RITO DO MATRIMÓNIO
 
Para ajudar a preparação da celebração do Matrimónio apresentamos, de seguida, o Rito do Sacramento.
 
Celebrante: Noivos Caríssimos, viestes à casa da Igreja, para que o vosso propósito de contrair Matrimónio seja firmado com o sagrado selo de Deus, perante o ministro das Igreja e na presença da comunidade cristã.
Cristo vai abençoar o vosso amor conjugal.
Ele, que já vos consagrou pelo santo Baptismo, vai agora dotar-vos e fortalecer-vos com a graça especial de um novo Sacramento para poderdes assumir o dever de mútua e perpétua fidelidade e as demais obrigações do Matrimónio.
Diante da Igreja, vou, pois, interrogar-vos sobre as vossas disposições.
 
Diálogo antes do consentimento
 
Cel: N. e N., viestes aqui para celebrar o vosso Matrimónio.
É de vossa livre vontade e de todo o coração que pretendeis fazê-lo?
 
Noivos: É, sim.
 
Cel: Vós que seguis o caminho do Matrimónio, estais decididos a amar-vos e a respeitar-vos, ao longo de toda a vossa vida?
 
Noivos: Estou, sim.
 
Cel: Estais dispostos a receber amorosamente os filhos como dom de Deus e a educá-los segundo a lei de Cristo e da sua Igreja?
 
Noivos: Estou, sim.
 
Consentimento
 
Cel: Uma vez que é vosso propósito contrair o santo Matrimónio, uni as mãos direitas e manifestai o vosso consentimento na presença de Deus e da sua Igreja.
 
Noivo: Eu, N., recebo-te por minha esposa a ti N., e prometo ser-te fiel, amar-te e respeitar-te, na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, todos os dias da nossa vida.
 
Noiva: Eu, N., recebo-te por meu esposo a ti N., e prometo ser-te fiel, amar-te e respeitar-te, na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, todos os dias da nossa vida.
 
Cel: Confirme o Senhor, benignamente, o consentimento que manifestastes perante a sua Igreja, e Se digne enriquecer-vos com a sua benção. Não separe o homem o que Deus uniu.
 
Cel: Bendigamos ao Senhor
 
Todos: Graças a Deus.
 
Bênção e entrega das alianças
 
Cel: Abençoe o Senhor estas alianças que ides entregar um ao outro como sinal de amor e de fidelidade.
 
Todos: Amen
 
Noivo: N. recebe esta aliança como sinal do meu amor e da minha fidelidade. Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo.
 
Noiva: N. recebe esta aliança como sinal do meu amor e da minha fidelidade. Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo.
 
Oração Universal
 
Bênção Nupcial
 
Cel: Invoquemos, irmãos, para estes esposos, a bênção de Deus, para que Ele acompanhe com a sua protecção aqueles que uniu pelo sacramento do Matrimónio.
 
Deus, Pai santo, que pelo vosso infinito poder fizestes do nada todas as coisas e, na harmonia primordial do universo, formastes o homem e a mulher à vossa imagem e semelhança, dando um ao outro como companheiros inseparáveis, para se tornarem os dois uma só carne, e assim nos ensinastes que nunca é lícito separar o que Vós mesmo unistes;
Deus, Pai santo, que no grande mistério do vosso amor consagrastes a aliança matrimonial, tornando-a símbolo da aliança de Cristo com a Igreja;
Deus, Pai santo, que sois o autor do Matrimónio e destes à primordial comunidade humana a vossa bênção que nem a pena do pecado original, nem o castigo do dilúvio, nem criatura alguma pôde abolir;
Olhai benignamente para estes vossos servos que, unindo-se pelo vínculo do Matrimónio, esperam o auxílio da vossa bênção: enviai sobre eles a graça do Espírito Santo para que, pelo vosso amor derramado em seus corações, permaneçam fiéis na aliança conjugal.
Seja a vossa serva N. fortalecida com a graça do amor e da paz, imitando as santas mulheres que a Escritura tanto exalta.
Confie nela o coração do seu marido, honrando-a como companheira igual em dignidade e com ele herdeira do dom da vida, e ame-a como Cristo amou a sua Igreja.
Nós vos pedimos, Senhor, que estes vosso servos N. e N. permaneçam unidos na Fé e na observância dos mandamentos; fiéis um ao outro, sirvam de exemplo pela integridade da sua vida; fortalecidos pela sabedoria do Evangelho, dêem a todos bom testemunho de Cristo; recebam o dom dos filhos, sejam pais de virtude comprovada e possam ver os filhos dos seus filhos e, depois de uma vida longa e feliz, alcancem o reino celeste, na companhia dos Santos.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito* Santo.
 
Todos: Amen
 
 
 
 
TEXTOS PARA A CELEBRAÇÃO
DO MATRIMÓNIO
 
SELECÇÃO DE LEITURAS POR TEMAS
 
1. UNIDADE      
• Génesis 2, 18-24
• Cântico dos Cânticos 2, 8-10. 14. 16a; 8, 6-7a
• Jeremias 31, 31-32a. 33-34a
• 1 Coríntios 12, 4-11
• 1 Coríntios 12, 14-21
• Filipenses 2, 1-5
• João 17, 20-26
 
2. VIDA
• Génesis 1, 26-28
• Mateus 5, 13-16
• Mateus 25, 14-29
• Marcos 4, 1-9
• Lucas 13, 6-9
 
3. LIBERDADE   
• Filipenses 3, 4-9
• I João 4, 7-12
• Mateus 5, 1-12
• Mateus 6, 25-34
• Lucas 6, 36-40
• João 2, 1-12
 
4. FIDELIDADE  
• Oseias 2, 18-22
• Tobias 8, 4-10
• I João 3, 18-24
• Romanos 8, 31-39
• Romanos 11, 9-19
• Colossenses 3, 12-17
• Mateus 7, 24-29
• João 15, 1-15
• Lucas 7, 36-47
 
 
LEITURAS DO ANTIGO TESTAMENTO
 
Livro do Génesis                                                                           1, 26-28. 31a
 
"DEUS CRIOU-OS HOMEM E MULHER."
Este poema bíblico revela-nos o projecto de Deus acerca da pessoa humana, do casal e da sua missão no mundo. A pessoa, homem e mulher, é imagem de Deus, chamada a viver um amor criador e a colaborar na construção do mundo.
 
Disse Deus: "Façamos o homem à nossa imagem e semelhança. Domine sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu, sobre os animais domésticos, sobre os animais selvagens e sobre todos os répteis que rastejam pela terra".
Deus criou o homem à sua imagem, criou-o à imagem de Deus. Ele os criou homem e mulher.
Deus abençoou-os e disse-lhes: "Crescei e multiplicai- vos; enchei e dominai a terra. Dominai sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu e sobre todos os animais que se movem sobre a terra".
Deus viu tudo o que tinha feito: era tudo muito bom.
 
 
Livro do Génesis                                                                                 2, 18-24
 
"NÃO É BOM QUE O HOMEM ESTEJA SÓ."
Não somos criados para vivermos sozinhos, somos um para o outro, uns para os outros. Por isso, esta leitura apresenta ao casal, homem e mulher, o caminho da unidade e da comunhão, na igual dignidade e na complementaridade da missão de cada um, homem e mulher.
 
Disse o Senhor Deus: "não é bom que o homem esteja só: vou dar-lhe uma auxiliar semelhante a ele.
Então o Senhor Deus, depois de ter formado da terra todos os animais do campo e todas as aves do céu, conduziu-os até junto do homem, para ver como ele os chamaria, a fim de que todos os seres vivos fossem conhecidos pelo nome que o homem lhes desse.
O homem chamou pelos seus nomes todos os animais domésticos, todas as aves do céu e todos os animais do campo. Mas não encontrou uma auxiliar semelhante a ele.
Então o Senhor Deus fez descer sobre o homem um sono profundo e, enquanto ele dormia, tirou-lhe uma costela, fazendo crescer carne em seu lugar. Da costela do homem o Senhor Deus formou a mulher e apresentou-a ao homem.
Ao vê-Ia o homem exclamou: "Esta é realmente osso dos meus ossos e carne da minha carne. Chamar-se-á mulher, porque foi tirada do homem".
Por isso, o homem deixará pai e mãe para se unir à sua esposa, e serão uma só carne.
 
 
Livro do Génesis                                                                       24, 48-51. 58-67
 
"O NOSSO ENCONTRO É UM DOM DE DEUS.".
Não há matrimónio sem esse primeiro encontro onde cada um acolhe o outro como um dom de Deus, com confiança, admiração e encanto.
 
Naqueles dias, o servo de Abraão disse a Labão: "Eu prostrei-me em adoração e louvei o Senhor, Deus de meu amo Abraão, que me conduziu pelo recto caminho, a fim de escolher a sobrinha do meu amo para mulher de seu filho.
Agora, se quereis usar de benevolência e fidelidade para com meu amo, dizei-mo. Se não, dizei-mo também, e dirigir-me-ei para a direita ou para a esquerda".
Labão e Batuel responderam: "É do Senhor que tudo isto vem. Nós nada podemos dizer-te. Aqui está Rebeca. Toma-a e parte, para que ela seja esposa do filho do teu amo, segundo a palavra do Senhor".
Chamaram Rebeca e perguntaram-lhe: "Queres ir com este homem?"
"Sim", respondeu ela.
Despediram-se então de Rebeca, com a sua ama, o servo de Abraão e seus homens, e abençoaram Rebeca, dizendo: "És nossa irmã: possas tu vir a ser mãe de um grande povo e a tua descendência triunfe dos seus inimigos".
Rebeca e as servas levantaram-se e, montadas em camelos, seguiram o homem; e o servo que conduzia Rebeca pôs-se a caminho.
Isaac regressara do poço de Lacai-Roi e residia em Negueb. Um dia, ao cair da tarde, saiu a dar uma volta pelos campos, ergueu os olhos e viu os camelos que se aproximavam. Também Rebeca levantou os solhos e, vendo Isaac, desceu do camelo e perguntou ao servo:
"Quem é aquele homem que vem pelo campo ao nosso encontro?"
"É o meu amo", respondeu o servo.
Imediatamente Rebeca se cobriu com o véu.
O servo contou a Isaac tudo o que tinha feito. Depois Isaac conduziu Rebeca à tenda de Sara, sua mãe, recebendo-a por esposa e amou-a. Assim foi consolado da morte da sua mãe.
 
 
Livro de Tobias                                                                                    7, 6-14
 
"É O PRÓPRIO DEUS QUE NOS UNE."
O livro de Tobias culmina com a narração de um matrimónio. A liberdade e a iniciativa dos esposos manifesta o reconhecimento de um dom de Deus, uma bênção, o seu amor.
 
Naqueles dias Raguel levantou-se e beijou Tobias, chorando de comoção. Depois abençoou-o, dizendo: "Bendito sejas tu, filho de tão bom e digno pai! Oh triste infelicidade, ter ficado cego um homem tão justo e tão caridoso!" Lançou-se ao pescoço de Tobias, seu parente, e continuou a chorar. Também Edna, sua esposa, chorava, bem como Sara, sua filha.
A seguir, mataram um carneiro do rebanho e ofereceram-lhes cordial hospedagem.
Depois de se ter lavado e sentado à mesa, Tobias disse a Rafael: "Irmão Azarias, pede a Raguel que me dê por esposa Sara, prima minha".
Raguel ouviu estas palavras e disse ao jovem: "Come, bebe e passa a noite tranquilo, porque ninguém tem mais direito de receber como esposa minha filha Sara, do que tu, meu irmão, nem eu tenho o direito de a entregar a outro senão a ti, porque és o meu parente mais próximo.
Devo, contudo, dizer-te a verdade, filho: já a dei a sete maridos da nossa linhagem e todos morreram na noite em que dela se aproximaram. Mas, agora, filho, come e bebe".
Tobias, porém, respondeu: "Não comerei nem beberei antes que resolvas a minha situação".
Disse Raguel: "Toma-a desde este momento, segundo a sentença do livro de Moisés; pelo próprio Céu foi decidido que ela te seja entregue. Leva a tua prima para casa; doravante serás meu irmão e ela tua irmã. A partir de hoje, ela te pertence para sempre. E o Senhor do Céu, meu filho, vos faça felizes para esta noite e vos conceda misericórdia e paz".
A seguir, Raguel chamou Sara, sua filha, e ela aproximou-se; tomando-a pela mão, entregou-a a Tobias dizendo: "Toma-a por esposa, segundo a lei e o decreto de Moisés". Só então começaram a comer e a beber.
 
 
Livro de Tobias                                                                                    8, 4b-8
 
"FAZ-NOS CHEGAR JUNTOS À VELHICE."
Tobias e Sara tomam a melhor atitude: colocar a sua vida e o seu futuro nas mãos de Deus, através de uma oração cheia de confiança. Esta sua oração exprime o reconhecimento do plano de Deus para a humanidade. Neste plano homem e mulher unem-se em matrimónio para se ajudarem mutuamente e se completarem.
 
Na noite do casamento, Tobias disse a Sara: "Levanta-te, minha irmã; vamos rezar, pedindo ao Senhor que nos conceda a sua misericórdia e a sua protecção".
Ela levantou-se e começaram a rezar para obter misericórdia e protecção.
Disse Tobias: "Bendito sois, Deus dos nossos pais. Bendito é o vosso nome por todas as gerações. Louvem-Vos os céus e todas as criaturas, por todos os séculos. Vós criastes Adão e lhe destes Eva por esposa, como auxílio e amparo; e de ambos nasceu o género humano. Vós dissestes: "Não é bom que o homem esteja só; Façamos-lhe uma auxiliar semelhante a ele".
Senhor, bem sabeis que não é por paixão, mas com intenção pura, que tomo esta prima por esposa. Tende piedade de mim e dela e fazei que cheguemos juntos a uma ditosa velhice".
 
 
Livro dos Provérbios                                                        31, 10-13. 19-20. 30-31
 
"A MULHER QUE TEME O SENHOR MERECE LOUVOR."
O elogio da mulher é um hino à maravilha da feminilidade que exprime uma série de virtudes e que geram a admiração do seu marido. Este elogio adquire hoje um renovado valor na esposa que é chamada a formar com o seu marido uma família cristã, mesmo quando muitas vezes, para bem da família e da sociedade, ela desempenha outras tarefas fora do lar.
 
Quem poderá encontrar uma mulher virtuosa? O seu valor é maior que o das pérolas. Nela confia o coração do marido e jamais lhe falta coisa alguma. Ela dá-lhe bem estar e não desventura em todos os dias da sua vida.
Procura obter lã e linho e põe mãos ao trabalho alegremente. Toma a roca em suas mãos, seus dedos manejam o fuso.
Abre as mãos ao pobre e estende os braços ao indigente.
A graça é enganadora, e vã a beleza; a mulher que teme o Senhor é que será louvada. Dai-lhe o fruto das suas mãos, e suas obras a louvem às portas da cidade.
 
 
Cântico dos Cânticos                                                        2, 8-10. 14. 16a; 8, 6-7a
 
"O MEU AMADO É PARA MIM."
A força da atracção mútua que aproxima os que se amam é um dos sinais do autêntico amor: atento e cheio de encanto, torna-se capaz de construir a fidelidade, destruindo tudo o que a ela se opõe, e abrindo ao amor de Deus.
 
Eis a voz do meu amado. Ele vem aí, transpondo as montanhas, saltando as colinas. O meu amado é semelhante a uma gazela ou ao filhinho da corça. Ei-lo que está por detrás do nossos muro, a olhar pela janela, a espreitar através das grades.
O meu amado ergue a voz e diz-me: "Levanta-te, minha amada, formosa minha, e vem. Minha pomba, escondida nas fendas dos rochedos, ao abrigo das encostas escarpadas, mostra-me o teu rosto, deixa-me ouvir a tua voz. A tua voz é suave e o teu rosto é encantador".
O meu amado é para mim e eu sou para ele
Ele disse-me: "Põe-me como um selo sobre o coração, como um selo sobre o teu braço, porque o amor é forte como a morte e a paixão é violenta como o abismo. Os seus ardores são setas de fogo, são chamas divinas. As águas torrenciais não podem apagar o amor, nem os rios o podem submergir.
 
 
Livro de Ben-Sirá                                                       26, 14.16-21 (gr. 1-4.13-16)
 
"A MULHER, LUZ DA SUA CASA."
Numa civilização diferente da nossa já se tinha consciência de que o matrimónio dá uma dignidade e uma graça completamente novas àqueles que se casam.
 
Feliz o homem que tem uma mulher virtuosa, porque será dobrado o número dos seus dias. A mulher forte é a alegria do seu marido: passará em paz os anos da sua vida. A mulher virtuosa é uma sorte excelente: é o prémio dos que temem a Deus e será dada ao homem pelas suas boas acções. Rico ou pobre, o seu coração será feliz e o seu rosto mostrar-se-á sempre alegre.
A graça da esposa diligente alegra o seu marido e a sua sabedoria revigora-lhe os ossos. É um dom de Deus a mulher sensata e silenciosa: nada há que valha a mulher bem educada. A mulher santa e honesta é uma graça inestimável, e não tem preço uma alma casta.
Como o sol que brilha no alto dos Céus, assim é a beleza da mulher virtuosa, como ornamento da sua casa.
 
 
Livro do Profeta Jeremias                                                        31, 31-32a. 33-34a
 
"DEUS FAZ ALIANÇA CONNOSCO."
Perante a infidelidade do seu povo, Deus não desiste de o amar, antes anuncia e promete uma nova aliança. Jesus vem realizar esta nova aliança.
 
Dias virão, diz o Senhor, em que estabelecerei com a casa de Israel e com a casa de Judá uma aliança nova. Não será como a aliança que firmei com os seus pais, no dia em que os tomei pela mão para os tirar da terra do Egipto.
Esta é a aliança que estabelecerei com a casa de Israel, depois daqueles dias, diz o Senhor. Hei-de imprimir a minha lei no íntimo da sua alma e gravá-la-ei no seu coração. Eu serei o seu Deus e eles serão o meu povo. Não terão já de se instruir uns aos outros, nem dizer cada um a seu irmão: "Aprende a conhecer o Senhor". Todos eles Me conhecerão, desde o maior ao mais pequeno, diz o Senhor.
               
 
LEITURAS DO NOVO TESTAMENTO
 
 
Epístola de S. Paulo aos Romanos                                                  8, 31b-35.37-39
 
"NADA PODERÁ SEPARA-NOS DO AMOR DE CRISTO."
Somos chamados a dar-nos totalmente, com generosidade e sem limites como Deus nos ama. Podemos confiar em Cristo. Nós somos frágeis mas, pelo amor e poder de Deus, nada nos poderá separar do amor de Cristo.
 
Irmãos: Se Deus está por nós, quem estará contra nós?
Deus, que não poupou o seu próprio Filho, mas O entregou à morte por todos nós, como não havia de nos dar, com Ele, todas as coisas?
Quem acusará os eleitos de Deus? Deus, que os justifica? E quem os condenará: Cristo Jesus, que morreu e, mais ainda, ressuscitou e está à direita de Deus e intercede por nós?
Quem poderá separa-nos do amor de Cristo? A tribulação, a angústia, a perseguição, a fome, a nudez, o perigo ou a espada?
Mas em tudo isto somos vencedores, graças Àquele que nos amou. Na verdade, eu estou certo de que nem a morte, nem a vida, nem os Anjos, nem os Principados, nem o presente, nem o futuro, nem as Potestades, nem a altura, nem a profundidade, nem qualquer outra criatura poderá separar-nos do amor de Deus, que se manifestou em Jesus Cristo, nosso Senhor.
 
 
Epístola de S. Paulo aos Romanos                                     12, 1-2. 9-18 ou 1-2. 9-13
 
"ESTAR ABERTOS A TODOS."
Esta leitura propõe-nos um modo de viver cada dia com aqueles que nos rodeiam. Assim se pode manifestar concretamente a nossa fé cristã. Certamente que é uma proposta para todos, mas pode ser também um magnifico programa de vida para a união matrimonial.
 
Peço-vos, irmãos, pela misericórdia de Deus, que vos ofereçais a vós mesmos como vítima santa, viva, agradável a Deus. Tal é o culto que Lhe deveis prestar.
Não vos conformeis com este mundo, mas transformai- vos pela renovação da vossa mente, para saberdes discernir, segundo a vontade de Deus, o que é bom, o que Lhe é agradável, o que é perfeito.
Seja a vossa caridade sem fingimento. Detestai o mal e aderi ao bem. Amai-vos uns aos outros com amor fraterno. Rivalizai uns com os outros na estima recíproca.
Não sejais indolentes no zelo, mas fervorosos no espírito. Dedicai-vos ao serviço do Senhor. Sede alegres na esperança, pacientes na tribulação, perseverantes na oração. Acudi com a vossa parte às necessidades dos cristãos; praticai generosamente a hospitalidade.
Bendizei aqueles que vos perseguem; abençoai e não os amaldiçoeis. Alegrai-vos com os que estão alegres, chorai com os que choram. Tende os mesmos sentimentos uns para os outros.
Não aspireis às grandezas, mas conformai-vos com o que é humilde. Não vos considereis sábios. Não pagueis o mal com o mal, mas preocupai-vos em praticar o bem diante de todos os homens. Se for possível, quanto de vós depende, vivei em paz com todos.
 
 
Epístola de S. Paulo aos Romanos                                               15, 1b-3a. 5-7. 13
 
"ACOLHEI-VOS MUTUAMENTE, COMO CRISTO VOS ACOLHEU."
No matrimónio, a comunhão vai muito para além do entendimento mútuo. Viver com um só coração e uma só alma é fruto do Espírito do Senhor que é derramado sobre vós, se vos deixais encher pela presença do Senhor.
 
Irmãos: Não devemos procurar a própria satisfação, mas procure cada um de vós agradar ao próximo, para seu bem e edificação. Cristo não procurou o que Lhe era agradável.
O Deus da paciência e da consolação vos conceda que alimenteis os mesmos sentimentos uns para com os outros, segundo Cristo Jesus, para que, numa só alma e numa só voz, glorifiqueis a Deus, Pai de Nosso Senhor Jesus Cristo. Acolhei-vos, portanto, uns aos outros, como Cristo vos acolheu., para glória de Deus.
O Deus da esperança vos encha plenamente de alegria e de paz na prática da vossa fé, para que abundeis na esperança, pela virtude do Espírito Santo.
 
 
I Epístola de S. Paulo aos Coríntios                                             6, 13c-15a. 17-20
 
"O VOSSO CORPO DÁ GLÓRIA A DEUS"
Somos a morada de Deus e templo do Espírito Santo. Por isso, não podemos desprezar o nosso corpo. No matrimónio, a união dos corpos torna-se sacramento de Cristo.
 
Irmãos: O corpo não é para a imoralidade, mas para o Senhor, e o Senhor para o corpo. Deus, que ressuscitou o Senhor, também nos ressuscitará a nós pelo seu poder.
Não sabeis que os vossos corpos são membros de Cristo? Aquele que se une ao Senhor constitui com Ele um só Espírito.
Fugi da imoralidade. Qualquer outro pecado que o homem cometa é exterior ao seu corpo; mas o que pratica a imoralidade peca contra o próprio corpo.
Não sabeis que o vosso corpo é templo do espírito Santo, que habita em vós e vos foi dado por Deus? Não pertenceis a vós mesmos, porque fostes resgatados por grande preço: glorificai a Deus no vosso corpo.
 
 
I Epístola de S. Paulo aos Coríntios                                                  12, 31 - 13,8a
 
"UM AMOR MAIOR QUE O AMOR."
Um belo poema através do qual S. Paulo exprime um cântico ao amor. Não é propriamente uma teoria abstracta, mas antes a descrição de Alguém, de Cristo que viveu este amor feito de paciência e de fé.
 
Irmãos: Aspirai com ardor aos dons espirituais mais elevados. Vou mostrar-vos um caminho de perfeição que ultrapassa tudo.
Ainda que eu fale as línguas dos homens e dos anjos, se não tiver caridade, sou como o bronze que ressoa ou como o címbalo que retine.
Ainda que eu tenha o dom da profecia e conheça todos os mistérios e toda a ciência, ainda que eu possua a virtude da fé, a ponto de transportar montanhas, se não tiver a caridade, nada sou.
E ainda que eu reparta todos os meus haveres e entregue o meu corpo para ser queimado, se não tiver caridade, de nada me aproveita.
A caridade é paciente, a caridade é benigna; não é invejosa, não é altiva nem orgulhosa, não é inconveniente, não procura o próprio interesse; não se irrita nem guarda ressentimento; não se alegra com a injustiça, mas alegra-se com a verdade; tudo desculpa, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.
A caridade não acaba nunca.
 
 
Epístola de S. Paulo aos Efésios                                                                 4, 1-6
 
"UM SÓ CORPO E UM SÓ ESPÍRITO."
Somos chamados a viver na unidade do mesmo Espírito. É uma vocação e um projecto a realizar ao longo de toda a vida. É o Senhor que nos chama à unidade e o Espírito fará realidade em nós esta unidade, se nos abrimos à sua presença e acção.
 
Irmãos: Eu, prisioneiro pela causa do Senhor, recomendo-vos que vos comporteis segundo a maneira de viver a que fostes chamados: procedei com toda a humildade, mansidão e paciência; suportai-vos uns aos outros com caridade; empenhai-vos em manter a unidade de espírito pelo vínculo da paz.
Há um só Corpo e um só Espírito, como existe uma só esperança na vida a que fostes chamados. Há um só Senhor, uma só fé, um só Baptismo. Há um só Deus e Pai de todos, que está acima de todos, actua em todos e em todos se encontra.
 
 
Epístola de S. Paulo aos Efésios                   5, 2a. 21-33 (longa) ou 2a. 25-32 (breve)
 
"AMAI-VOS COMO CRISTO VOS AMOU."
O amor de Cristo pela sua Igreja, por todos nós que somos seus membros, é um amor total, um amor que dá tudo, que entrega a sua vida. Porque Cristo nos ama assim, também nós podemos aprender a amar-nos como Ele nos ama.
 
Irmãos: Caminhai na caridade, a exemplo de Cristo, que nos amou e Se entregou por nós.
Sede submissos uns aos outros no temor de Cristo. As esposas submetam-se aos maridos como ao Senhor, porque o marido é a cabeça da esposa como Cristo é a cabeça da Igreja, seu corpo, do qual é o Salvador.
Ora, como a Igreja se submete a Cristo, assim também as esposas se devem submeter em tudo aos maridos.
Maridos, amai as vossas esposas como Cristo amou a Igreja e Se entregou por ela, a fim de a santificar, purificando-a no Baptismo da água pela palavra de vida, para a apresentar a Si mesmo como Igreja cheia de glória, sem ruga nem mancha, mas santa e imaculada.
Assim os maridos devem amar as suas esposas como a seus corpos. Quem ama a sua esposa ama-se a si mesmo. Ninguém de facto odiou jamais o seu corpo, antes o alimenta e lhe presta cuidado, como Cristo à Igreja; pois nós somos membros do seu corpo.
Por isso, o homem deixará pai e mãe, para se unir à sua esposa, e serão os dois uma só carne. É grande este mistério, digo-o em relação a Cristo e à Igreja. Assim, portanto, cada um de vós ame a sua esposa como a si mesmo e a esposa respeite o marido.
 
 
Epístola de S. Paulo aos Filipenses                                                             4, 4-9
 
"O DEUS DA PAZ ESTARÁ CONVOSCO."
A alegria que brota do coração daqueles que vivem o projecto de Deus, com fidelidade e generosidade, vem- nos do Espírito do Senhor. O Deus da paz vive connosco. Uma vida segundo o estilo de Jesus tem a marca de Deus.
 
Irmãos: Alegrai-vos sempre no Senhor. Novamente vos digo: alegrai-vos. Seja de todos conhecida a vossa bondade. O Senhor está próximo.
Não vos inquieteis com coisa alguma. Mas em todas as circunstâncias apresentai os vossos pedidos diante de Deus, com orações, súplicas e acções de graças.
E a paz de Deus, que está acima de toda a inteligência, guardará os vossos corações e os vossos pensamentos em Cristo Jesus.
Quanto ao resto, irmãos, tudo o que é verdadeiro e nobre, tudo o que é justo e puro, tudo o que é amável e de boa reputação, tudo o que é virtude e digno de louvor, é o que deveis ter no pensamento.
O que aprendestes, recebestes, e ouvistes de mim e vistes em mim é o que deveis praticar. E o Deus da paz estará convosco.
 
 
Epístola de S. Paulo aos Colossenses                                                       3, 12-17
 
"O AMOR CONSTRÓI A UNIDADE."
O que é necessário para se ser feliz no Matrimónio? Eis um modelo do amor como nos propõe o Evangelho, como Jesus o viveu. E este amor que Jesus vos oferece para o vosso matrimónio para que sejais capazes de o viver sempre.
 
Irmãos: Como eleitos de Deus, santos e predilectos, revesti-vos de sentimentos de misericórdia, bondade, mansidão e paciência.
Suportai-vos uns aos outros e perdoai-vos mutuamente, se algum tiver razão de queixa contra o outro. Tal como o Senhor vos perdoou, assim deveis fazer vós também.
Acima de tudo, revesti-vos da caridade, que é o vínculo da perfeição. Reine em vossos corações a paz de Cristo, à qual fostes chamados para formar um só corpo. E vivei em acção de graças.
Habite em vós com abundância a palavra de Cristo, para vos instruirdes e aconselhardes uns aos outros com toda a sabedoria; e com salmos, hinos e cânticos inspirados, cantai de todo o coração a Deus a vossa gratidão.
E tudo quanto fizerdes, por palavras ou por obras, seja tudo em nome do Senhor Jesus, dando graças por Ele a Deus Pai.
 
 
Epístola de S. Paulo aos Hebreus                                                     13, 1-4a. 5-6b
 
"QUE TODOS RESPEITEM O MATRIMONIO."
Quem pôs a sua confiança no Senhor sabe que o que se vive em seu nome está abençoado por Ele. O essencial do matrimónio é o amor. Nada nem ninguém nos pode fazer perder de vista este princípio que tem o selo de Deus, porque Ele é a vossa força e o vosso alicerce, Ele é o fundamento da vossa união.
 
Irmãos: Permanecei firmes no amor fraterno. Não esqueçais a hospitalidade, porque, graças a ela, alguns, sem o saberem, hospedam Anjos.
Lembrai-vos dos prisioneiros, como se estivésseis presos com eles; lembrai-vos dos que são maltratados, porque vós também tendes um corpo.
O matrimónio seja honrado em todas as famílias e o leito conjugal sem mancha.
O vosso modo de proceder seja desinteressado, contentando-vos com o que possuís, porque Deus disse: "Eu não te abandonarei nem te desampararei", de modo que possamos dizer confiadamente: "O Senhor é por mim: nada temo".
 
 
I Epístola de S. Pedro                                                                             3, 1-9
 
"VIVEI UNIDOS."
O que desperta o amor é a atracção mútua. O que alimenta o amor e dá alegria é a ternura e a delicadeza. Assim a vida de cada dia torna-se bênção de Deus.
 
Irmãos: As esposas sejam submissas aos seus maridos, para que, embora alguns recusem acreditar na palavra, eles sejam conquistados, sem palavra, pelo procedimento das suas esposas, observando a vossa vida casta e respeitosa.
Não seja o seu adorno apenas exterior: cabelos frisados, adereços de ouro, vestidos elegantes; mas sim o ornamento interior e oculto do coração, a pureza incorruptível de um espírito suave e pacífico, que é precioso aos olhos de Deus.
Era assim que outrora se adornavam as santas mulheres que esperavam em Deus; vivam submissas aos seus maridos, como Sara, que obedecia a Abraão. Chamando-lhe seu Senhor. Dela sois filhas, se fizerdes o bem sem temor e sem perturbação alguma.
De maneira semelhante, os maridos convivam sabiamente com as suas esposas, tratando-as com respeito, como seres mais frágeis; tenham consideração por elas, como herdeiras com eles da graça da vida. E assim nada virá impedir as vossas orações.
Enfim, permanecei unidos nos mesmos sentimentos, na compaixão, no amor fraterno, na misericórdia, na humildade. Não pagueis o mal com o mal, nem injúria com injúria. Pelo contrário, abençoai, porque para isto fostes chamados, a fim de vos tomardes herdeiros da bênção de Deus.
 
 
I Epístola de S. João                                                                            3, 18-24
 
"UM AMOR VERDADEIRO."
Amar à maneira de Deus não é apenas dizer "amo- te"; é querer e construir a felicidade do outro tal como Deus quer a nossa felicidade.
 
Meus filhos: Não amemos com palavras e com a língua, mas com obras e verdade. Deste modo saberemos que somos de verdade e tranquilizaremos o nosso coração diante de Deus; porque se o nosso coração nos acusar, Deus é maior que o nosso coração e conhece todas as coisas.
Caríssimos, se o coração não nos condena, tenhamos confiança diante de Deus e receberemos d'Ele tudo o que Lhe pedirmos, porque cumprimos os seus mandamentos e fazemos o que Lhe é agradável.
É este o seu mandamento: acreditar no nome do seu Filho, Jesus Cristo, e amar-nos uns aos outros, como ele nos mandou. Quem observa os seus mandamentos permanece em Deus e Deus nele. E sabemos que permanece em nós pelo Espírito que nos concedeu.
 
 
I Epístola de S. João                                                                             4, 7-12
 
"TODO O AMOR VEM DE DEUS."
É Deus quem nos ama primeiro: Jesus mostrou-o amando até ao fim. Aceitar primeiro ser amado é possivelmente aprender a amar.
 
Caríssimos, amemo-nos uns aos outros, porque o amor vem de Deus; e todo aquele que ama nasceu de Deus e conhece a Deus. Quem não ama, não conhece a Deus, porque Deus é amor.
Assim se manifestou o amor de Deus pata connosco: Deus enviou ao mundo o seu Filho Unigénito, para que vivamos por Ele.
Nisto consiste o amor: não fomos nós que amámos a Deus, mas foi Ele que nos amou e enviou o seu Filho como vítima de expiação pelos nossos pecados.
Caríssimos, se Deus nos amou assim, também nós devemos amar-nos uns aos outros. A Deus ninguém jamais O viu. Se nos amarmos uns aos outros, Deus permanece em nós, e em nós o seu amor é perfeito.
 
 
Livro do Apocalipse                                                                          19, 1. 5-9a
 
"As BODAS DE CRISTO COM A HUMANIDADE."
Um dia o amor triunfará. João anuncia-nos a vitória de Deus e das bodas do Cordeiro (Cristo) com a humanidade. Celebrar o vosso matrimónio é viver já estas núpcias: o vosso amor anuncia um mundo novo.
 
Eu, João, ouvi como que a voz de uma grande multidão, que dizia ao Céu: "Aleluia! A salvação, a glória e o poder ao nosso Deus!"
E do trono saiu uma voz que dizia: "Louvai o nosso Deus, vós todos os seus servos, vós que O temeis, pequenos e grandes!"
Depois ouvi como que a voz de uma grande multidão, como o marulhar de águas caudalosas, como o ribombar de fortes trovões. Diziam assim: "Aleluia, porque reina o Senhor, nosso Deus omnipotente.
Alegremo-nos, exultemos e dêmos-Lhe glória, porque chegou o tempo das núpcias do Cordeiro e a sua Esposa está preparada: foi-lhe concedido que vestisse linho fino e resplandecente". Esse linho são as obras justas dos santos.
Disse-me o Anjo: "Escreve: Felizes os convidados para o banquete de núpcias do Cordeiro!".
 
 
 
 
SALMOS RESPONSORIAIS
 
 
Salmo 32                                                               (33), 12. 18. 20-21. 22 (R. 5b)
 
Refrão: A terra está cheia a bondade do Senhor
 
Feliz a Nação que tem o Senhor por seu Deus,
O povo que Ele escolheu para sua herança.
Os olhos do Senhor estão voltados para os que O temem,
Para os que esperam na sua bondade.
 
A nossa alma espera o Senhor:
Ele é o nossos amparo e protector.
N'Ele se alegra o nosso coração:
Em seu nome santo pomos a nossa confiança.
 
Venha sobre nós a vossa bondade,
Porque em Vós esperamos, Senhor.
 
 
 
Salmo 33                                                      (34), 2-3. 4-5. 6-7. 8-9 (R. 2a ou 9a)
 
Refrão: Em todo o tempo e lugar bendirei o Senhor.
ou
Saboreai e vede como o Senhor é bom.
 
 
A toda a hora bendirei o Senhor,
O seu louvor estará sempre na minha boca.
A minha alma gloria-se no Senhor:
Ouçam e alegrem-se os humildes.
 
Enaltecei comigo o Senhor
e exaltemos juntos o seu nome.
Procurei o Senhor e Ele atendeu-me,
Libertou-me de toda a ansiedade.
 
Voltai-vos para Ele e ficareis radiantes,
O vosso rosto não se cobrirá de vergonha.
Este pobre clamou e o Senhor o ouviu,
Salvou-o de todas as angústias.
 
O Anjo do Senhor protege os que O temem
E defende-os dos perigos.
Saboreai e vede como o Senhor é bom:             
Feliz o homem que n'Ele se refugia.
 
 
 
Salmo 102                                             (103), 1-2. 8. 13. 17.-18a (R. 8a ou cf. 17)
 
Refrão: O Senhor é clemente e compassivo
ou
A bondade do Senhor permanece eternamente para os que n'Ele confiam
 
Bendiz, ó minha alma, o Senhor: e todo o meu ser bendiga o seu nome santo.
Bendiz, ó minha alma, o Senhor: e não esqueças nenhum dos seus benefícios.
 
O Senhor é clemente e compassivo,
Paciente e cheio de bondade.
Como um pai se compadece dos seus filhos,
Assim o Senhor Se compadece dos que O temem.
 
A bondade do Senhor permanece eternamente
Sobre aqueles que O temem
E a sua justiça sobre os filhos dos seus filhos,
Sobre aqueles que guardam a aliança.
 
 
 
Salmo 111                                                 (112), 1-2. 3-4. 5-7a- 7bc-8. 9 (R cf. 1)
 
Refrão: Feliz o homem que ama ardentemente os preceitos do Senhor.
 
Feliz o homem que teme o Senhor: e ama ardentemente
os seus preceitos.
A sua descendência será poderosa sobre a terra,
Será abençoada a geração dos justos.
 
Haverá em sua casa abundância e riqueza,
A sua generosidade permanece para sempre.
Brilha aos homens rectos, como luz nas trevas,
O homem misericordioso, compassivo e justo.
 
Ditoso o homem que se compadece e empresta
E dispõe das suas coisas com justiça.
Este jamais será abalado,
O justo deixará memória eterna.
 
Ele não receia más notícias,       
Seu coração está firme, confiado no Senhor.
O seu coração é inabalável, nada teme
E verá os seus adversários confundidos.             
 
Reparte com largueza pelos pobres,
A sua generosidade permanece para sempre
E pode levantar a cabeça com altivez,
 
 
 
Salmo 127                                                                     (126), 1-4 (R. cf.1 ou 4)
 
Refrão: Se o Senhor não edificar a casa, em vão trabalham os que a constroem
 
Se o Senhor não edificar a casa,
em vão trabalham os que a constroem.
Se o Senhor não guardar a cidade,
em vão vigiam as sentinelas.
 
É inútil levantar-vos antes da aurora
e trabalhar pela noite dentro
para comer o pão dum trabalho duro
porque Ele o dá aos seus amigos, até durante o sono.
 
Os filhos são uma bênção do Senhor;
o fruto das entranhas, uma recompensa;
como flechas nas mãos de um guerreiro,
assim os filhos nascidos na juventude.
 
 
 
Salmo 128                                                            (127), 1-2. 3. 4-5 (R. cf.1 ou 4)
 
Refrão: Felizes os que esperam no Senhor.
ou
Será abençoado o homem que espera no Senhor.
 
Feliz de ti que temes o Senhor: e andas nos seus
caminhos.
Comerás do trabalho das tuas mãos, serás feliz e tudo
te correrá bem.
 
Tua esposa será como videira fecunda,
No íntimo do teu lar.
Teus filhos, como ramos de oliveira,
Ao redor da tua mesa.
 
Assim será abençoado o homem que teme o Senhor.
De Sião te abençoe o Senhor:
Vejas a prosperidade de Jerusalém
Todos os dias da tua vida.
 
 
 
Salmo 144                                                                     (145) 8-9. 10. 15. 17-18
                (R. 9a ou cf. 7-8)
               
Refrão: O Senhor é bom para todas as criaturas.
Ou
Cantarei para sempre a bondade do Senhor.
               
O Senhor é clemente e compassivo,
Paciente e cheio de bondade.
O Senhor é bom para com todos
E a sua misericórdia se estende a todas as criaturas.
 
Graças vos dêem, Senhor, todas as criaturas
E bendigam-Vos os vossos fiéis.
Todos têm os olhos postos em Vós
E a seu tempo lhes dais alimento.
 
O Senhor é justo em todos os seus caminhos
E perfeito em todas as suas obras.
O Senhor está perto de quantos O invocam,
De quantos O invocam em verdade.
 
 
 
Salmo 148                                                 1-2. 3-4. 9-10. 11-13ab. 13c44a (R 13a)
 
Refrão: Louvai o nome do Senhor.
ou
Aleluia
 
Louvai o Senhor do alto dos céus,
Louvai-O nas alturas.
Louvai-O, todos os seus Anjos,
Louvai-O, todos os seus exércitos.
 
Louvai-O, sol e lua
Louvai-O, todos os astros luminosos.
Louvai-O, céus dos céus
E águas que estais acima dos céus.
 
Louvai-O, montanhas e colinas,
Árvores de fruto e todos os cedros,
Feras e animais domésticos,
Répteis e aves que voam.
 
Reis e povos do mundo,
Príncipes e todos os juízes da terra,
Jovens e donzelas, velhos e crianças,
Louvem todos o nome do Senhor.
 
O seu nome é sublime,
A sua majestade está acima do céu e da terra.
Louvem-n'O todos os seus fiéis,
Os filhos de Israel, seu povo eleito.
 
 
 
ALELUIA E VERSÍCULOS
ANTES DO EVANGELHO
 
 
1 Jo 4, 7b
Todo aquele que ama nasceu de Deus e conhece a Deus
 
 
1 Jo 4, 8b.11
Deus é amor; amemo-nos uns aos outros, como Deus nos amou.
 
 
1 Jo 4, 12
Se nos amarmos uns aos outros, Deus permanece em nós e em nós o seu amor é perfeito.
 
 
1 Jo 4, 16
Se alguém permanece no amor, permanece em Deus e Deus permanece nele.
 
 
 
EVANGELHOS
 
 
Evangelho segundo S. Mateus                                                                 5, 1-12a
 
"O CAMINHO DA FELICIDADE."
Se tivéssemos de falar de felicidade deforma instintiva, simplesmente humana, certamente que diríamos outra coisa. Jesus leva-nos por outros caminhos. Não glorifica a miséria, mas veio para que as coisas mudem e propõe-nos um Reino no qual os valores autênticos se chamam justiça, paz, misericórdia.
 
Naquele tempo, ao ver as multidões, Jesus subiu ao monte e sentou-Se. Rodearam-n'O os discípulos e Ele começou a ensiná-los dizendo:
"Bem-aventurados os pobres em espírito, porque deles é o reino dos Céus.
Bem-aventurados os que choram, porque serão consolados.
Bem-aventurados os humildes, porque possuirão a terra.
Bem-aventurados os que tem fome e sede de justiça, porque serão saciados.
Bem-aventurados os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia.
Bem-aventurados os puros de coração, porque verão a Deus.
Bem-aventurados os que promovem a paz, porque serão chamados filhos de Deus.
Bem-aventurados os que sofrem perseguição por amor da justiça, porque deles é o reino dos Céus.
Bem-aventurados sereis, quando por minha causa vos insultarem, vos perseguirem e, mentindo, disserem todo o mal contra vós. Alegrai-vos e exultai, porque é grande nos Céus a vossa recompensa".
 
 
 
Evangelho segundo S. Mateus                                                                 5, 13-16
 
"O TESTEMUNHO DO CASAL."
Queremos convidar para o nosso casamento todos aqueles que foram para nós sal e luz: os amigos e familiares. Deram sabor e luz à nossa vida. Devemos acolher o chamamento de Cristo para ser sal e luz para os que nos rodeiam.
 
Naqueles dias, disse Jesus aos seus discípulos:
"Vós sois o sal da terra. Mas se ele perder a sua força, com que há-de salgar-se? Não serve para nada, senão para ser lançado fora e pisado pelos homens.
Vós sois a luz do mundo. Não se pode esconder uma cidade situada sobre um monte; nem se acende uma lâmpada para a colocar debaixo do alqueire, mas sobre o candelabro, onde brilha para todos os que estão em casa. Assim deve brilhar a vossa luz diante dos homens, para que, vendo as vossas boas obras, glorifiquem o vosso Pai que está nos Céus".
 
 
 
Evangelho segundo S. Mateus                                      7, 21.24-29 (breve: 21.24-25)
 
"CONSTRUIR SOBRE A ROCHA."
Construir um lar que resista às provas supõe bases sólidas na construção. Deus é "alicerce" essencial para a edificação de uma nova casa.
 
Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos:
"Nem todo aquele que Me diz 'Senhor, Senhor' entrará no reino dos Céus, mas só aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos Céus.
Quem ouve as minhas palavras e as põe em prática é como o homem prudente, que edificou a sua casa sobre a rocha firme. Caiu a chuva, vieram as torrentes e sopraram os ventos contra aquela casa; mas ela não caiu, porque estava assente sobre a rocha.
Mas quem ouve as minhas palavras e não as põe em prática é como o homem insensato, que edificou a sua casa sobre a areia. Caiu a chuva, vieram as torrentes e sopraram os ventos contra aquela casa; ela desmoronou-se e foi grande a sua ruína".
Quando Jesus acabou de falar, as multidões estavam admiradas com a sua doutrina, porque as ensinava como quem tem autoridade e não como os escribas.
 
 
 
Evangelho segundo S. Mateus                                                                  19, 3-6
 
"SERÃO UMA SÓ CARNE."
Misteriosa unidade do casal: ser um só. Isto não é apenas um desejo nosso, é o projecto de Deus, é o horizonte que Ele nos apresenta e que se realiza eficazmente. No matrimónio, a fidelidade de Deus é a fonte da nossa fidelidade.
 
Naquele tempo, aproximaram-se de Jesus alguns fariseus para O experimentarem e disseram-lhe: "É permitido ao homem repudiar a sua esposa por qualquer motivo?"
Jesus respondeu: "Não lestes que o Criador, no princípio, os fez homem e mulher e disse: 'Por isso o homem deixará pai e mãe para se unir à sua esposa, e serão os dois uma só carne?' Deste modo, já não são dois, mas uma só carne. Portanto, não separe o homem o que Deus uniu".
 
 
 
Evangelho segundo S. Mateus                                                               22, 35-40
 
"AMAR A DEUS, AMAR O PRÓXIMO."
Amar segundo o Evangelho significa comprometer-se com Deus e com os outros: o mesmo amor que nos une a Deus, leva-nos até aos outros. Pelo sacramento do matrimónio, Deus pede-nos que amemos o nosso cônjuge: é aquele que está mais próximo.
 
Naquele tempo, um doutor da lei perguntou a Jesus, para O experimentar: "Mestre, qual é o maior mandamento da Lei?"
Jesus respondeu: "Amarás o Senhor teu Deus com todo o teu coração, com toda a tua alma e com todo o teu espírito. Este é o maior e o primeiro dos mandamentos.
O segundo, porém, é semelhante a este: Amarás o teu próximo como a ti mesmo.
Nestes dois mandamentos se resumem a Lei e os Profetas".
 
 
 
Evangelho segundo S. Marcos                                                                  10, 6-9
 
"O QUE DEUS UNIU, NÃO O SEPARE O HOMEM."
Estar unido para sempre! Qual o casal que não deseja tal coisa? Mas como? Existem tantos fracassos que ameaçam o matrimónio. Sem dúvida que somos feitos para esse ara sempre" porque é Deus quem nos une: em Jesus compromete-se até ao fim no seu amor por nós.
 
Naquele tempo, disse Jesus: "No princípio da criação, Deus fê-los homem e mulher. Por isso o homem deixará pai e mãe para se unir à sua esposa, e serão os dois uma só carne.
Deste modo, já não são dois, mas uma só carne. Portanto, não separe o homem o que Deus uniu"
 
 
 
Evangelho segundo S. Lucas                                                                 24, 13-35
 
"FICAI CONNOSCO, SENHOR, PORQUE VEM CAINDO A NOITE"
A vida do casal é também um caminhar a dois. Tal como os Discípulos de Emaús, também o casal pode pedir a Jesus que esteja sempre no seu matrimónio.
 
Dois discípulos de Jesus iam a caminho duma povoação chamada Emaús, que ficava a duas léguas de Jerusalém.
Conversavam entre si sobre o que tinha sucedido. Enquanto falavam e discutiam, Jesus aproximou-Se deles e pôs-Se com eles a caminho. Mas os seus olhos estavam impedidos de O reconhecerem.
Ele perguntou-lhes: "Que palavras são essas que trocais entre vós pelo caminho?"
Pararam com um ar muito triste, e um deles, chamado Cléofas, respondeu: "Tu és o único habitante de Jerusalém a ignorar o que lá se passou nestes dias".
E Ele perguntou: "Que foi?"
Responderam-Lhe: "O que se refere a Jesus de Nazaré, profeta poderoso em obras e palavras diante de Deus e de todo o povo; e como os príncipes dos sacerdotes e os nossos chefes O entregaram para ser condenado à morte e crucificado. Nós esperávamos que fosse Ele quem havia de libertar Israel. Mas, afinal, é já o terceiro dia depois que isto aconteceu. É verdade que algumas mulheres do nosso grupo nos sobressaltaram: foram de madrugada ao sepulcro, não encontraram o corpo de Jesus e vieram dizer que lhes tinham aparecido uns Anjos a anunciar que Ele estava vivo. Alguns dos nossos foram ao sepulcro e encontraram tudo como as mulheres tinham dito. Mas a Ele não O viram".
Então Jesus disse-lhes: "Homens sem inteligência e lentos de espírito para acreditar em tudo o que os profetas anunciaram! Não tinha o Messias de sofrer tudo isso para entrar na sua glória?"
Depois, começando por Moisés e passando pelos Profetas, explicou-lhes em todas as Escrituras o que Lhe dizia respeito. Ao chegarem perto da povoação onde iam, Jesus fez menção de seguir para diante.
Mas eles convenceran-n'O a ficar, dizendo: "Ficai connosco, porque o dia está a terminar e vem caindo a noite".
Jesus entrou e ficou com eles.
E quando Se pôs à mesa, tomou o pão, receitou a bênção, partiu-o e entregou-lho. Nesse momento abriram-se-lhes os olhos e reconheceram-n'O. Mas Ele desapareceu da sua presença.
Disseram então um para o outro: "Não ardia cá dentro o nosso coração, quando Ele nos falava pelo caminho e nos explicava as Escrituras?"
Partiram imediatamente de regresso a Jerusalém e encontraram reunidos os Onze e os que estavam com eles, que diziam: "Na verdade, o Senhor ressuscitou e apareceu a Simão".
E eles contaram o que tinha acontecido no caminho e como O tinham reconhecido ao partir o pão.
 
 
 
Evangelho segundo S. João                                                                     2, 1-11
 
"JESUS É CONVIDADO PARA AS BODAS."
Convidar Jesus para as bodas é associá-l'0 à nossa alegria como testemunha, como amigo... É também receber d'Ele, como vinho novo, uma felicidade que é mais forte que as nossas fraquezas. Jesus dá uma dimensão nova ao nosso matrimónio.
 
Naquele tempo, houve um casamento em Caná da Galileia e estava lá a Mãe de Jesus. Jesus e os seus discípulos foram também convidados para o casamento.
Como o vinho veio a faltar, a Mãe de Jesus disse- Lhe: "Não têm vinho". Jesus respondeu-lhe: "Mulher, que temos nós com isso? Ainda não chegou a minha hora". Sua Mãe disse aos serventes: "Fazei tudo o que Ele vos disser".
Havia ali seis talhas de pedra, destinadas aos ritos de purificação dos judeus; cada qual levava duas ou três medidas. Disse-lhes Jesus: "Enchei as talhas de água". Eles encheram-nas até acima. Depois disse-lhes: "Tirai agora e levai ao chefe de mesa". E eles levaram.
Quando o chefe de mesa provou a água transformada em vinho - sem saber donde era; só os serventes, que tinham tirado a água, é que sabiam - chamou o esposo e disse-lhe: "Toda a gente serve primeiro o vinho bom e, depois de terem bebido bem, é que serve o inferior. Mas tu guardaste o vinho bom até agora".
Foi assim, em Caná da Galileia, que Jesus deu início aos sinais que realizou. Manifestou a sua glória e os seus discípulos acreditaram n'Ele.
 
 
 
Evangelho segundo S. João                                                                    15, 9-12
 
"AMAR É DAR A VIDA."
Começar a amar é entrar no seguimento de Cristo, é entrar nessa grande corrente do amor que se entrega, se dá, que perdoa.
 
Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos:
"Assim como o Pai Me amou, também Eu vos amei. Permanecei no meu amor.
Se guardardes os meus mandamentos, permanecereis no meu amor, assim como Eu tenho guardado os mandamentos do Pai e permaneço no seu amor.
Disse-vos estas coisas, para que a minha alegria esteja em vós e a vossa alegria seja completa.
É este o meu mandamento: que vos ameis uns aos outros, como Eu vos amei".
 
 
 
Evangelho segundo S. João                                                                  15, 12-16
 
"AMAI-VOS COMO EU VOS TENHO AMADO."
Ser chamados e escolhidos, eleitos, é fonte de grande alegria e também de uma grande confiança. Saber-se amado por Jesus é um chamamento para corresponder com amor.
 
Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos:
É este o meu mandamento: que vos ameis uns aos outros, como Eu vos amei.
Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a vida pelos amigos. Vós sois meus amigos, se fizerdes o que Eu vos mando.
Já não vos chamo servos, porque o servo não sabe o que faz o seu senhor; mas chamei-vos amigos, porque vos dei a conhecer tudo o que ouvi a meu Pai.
Não fostes vós que Me escolhestes: fui Eu que vos escolhi e vos destinei, para que vades e deis fruto e o vosso fruto permaneça.
E assim, tudo o que pedirdes ao Pai em meu nome, Ele vo-lo concederá".
 
 
 
Evangelho segundo S. João                                                                   17,20-26
(breve: 20-23)
 
"QUE TODOS SEJAM UM."
No momento de dar a sua vida, Jesus roga ao Pai para que o seu amor seja comunicado a todos aqueles que O acolhem. A nossa união é o melhor caminho para compreender Deus. É a nossa luz e a nossa alegria.
 
Naquele tempo, Jesus ergueu os olhos ao Céu e orou deste modo:
"Pai santo, não peço somente por eles, mas também por aqueles que vão acreditar em Mim por meio da sua palavra, para que eles sejam todos um, como Tu, Pai, o és em Mim e Eu em Ti, para que também eles sejam um em Nós e o mundo acredite que Tu Me enviaste.
Eu dei-lhes a glória que tu me deste, para que sejam um, como Nós somos um: Eu neles e Tu em Mim, para que sejam consumados na unidade e o mundo reconheça que Tu Me enviaste e que os amaste como a Mim.
Pai, quero que onde Eu estou, também estejam comigo os que Me deste, para que vejam a minha glória, a glória que Me deste, por Me teres amado antes da criação do mundo.
Pai justo, o mundo não Te reconheceu, mas Eu conheci-Te; e estes reconheceram que Tu Me enviaste. Dei-lhes a conhecer o teu nome e dá-lo-ei a conhecer, para que o amor com que Me amaste esteja neles e Eu esteja neles".
 
 
ORAÇÃO UNIVERSAL
 
A oração universal, que será rezada no seu local próprio durante a celebração do Matrimónio, pode ser preparada pelos noivos. Sugerimo-vos, pois, que a escrevam, em conjunto com o Sacerdote que presidirá à Celebração.
Apresentamos, de seguida, duas possíveis versões:
 
VERSÃO 1
 
Cel: Irmãos caríssimos, celebrando o especial dom da graça e da caridade, com que Deus se dignou consagrar o amor dos nossos irmãos N. e N., confiemo-los ao Senhor:
 
Leitor: Para que os nossos irmãos N. e N., unidos em santidade pelo Matrimónio, possam alegrar-se com a salvação eterna, oremos ao Senhor.
Todos: Nós vos rogamos, ouvi-nos Senhor.
 
Leitor: Para que abençoe a sua aliança, como se dignou santificar as núpcias em Caná da Galileia, oremos ao Senhor.
Todos: Nós vos rogamos, ouvi-nos Senhor.
 
Leitor: Para que vivam num perfeito e fecundo amor, gozem de paz e protecção, e dêem bom testemunho de vida cristã, oremos ao Senhor
Todos: Nós vos rogamos, ouvi-nos Senhor.
 
Leitor: Para que o povo cristão progrida sempre na virtude e aos que vivem oprimidos por várias necessidades seja concedido o auxílio da divina graça, oremos ao Senhor.
Todos: Nós vos rogamos, ouvi-nos Senhor.
Leitor: Para que todos os esposos aqui presentes sintam hoje renovada pelo Espírito Santo a graça do seu Matrimónio, oremos ao Senhor.
Todos: Nós vos rogamos, ouvi-nos Senhor.      
 
Cel: Enviai benignamente, Senhor, sobre estes esposos o espírito da vossa caridade para que se tornem um só coração e uma só alma e nada separe os que Vós unistes e cumulastes com a vossa bênção.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.
Todos: Amen.
 
VERSÃO 2
 
Cel: Irmãos caríssimos, acompanhemos com as nossas orações esta nova família, para que o amor destes esposos cresça cada vez mais e o Senhor proteja, benignamente, todas as famílias do mundo.
 
Leitor: Por todos os esposos e pelo bem estar das suas famílias, oremos ao Senhor.
Todos: Nós vos rogamos, ouvi-nos Senhor.
 
Leitor: Pelos parentes e amigos destes esposos e por todos os que lhes prestaram auxílio, oremos ao Senhor
Todos: Nós vos rogamos, ouvi-nos Senhor.
 
Leitor: Pelos jovens que se preparam para o Matrimónio e por todos os que Deus chama a outra condição de vida, oremos ao Senhor.
Todos: Nós vos rogamos, ouvi-nos Senhor.
 
Leitor: Por todas as famílias do mundo e pela paz entre todos os homens, oremos ao Senhor.
Todos: Nós vos rogamos, ouvi-nos Senhor.
 
Leitor: Pelos membros das nossas famílias que já partiram deste mundo e por todos os defuntos, oremos ao Senhor.
Todos: Nós vos rogamos, ouvi-nos Senhor.
 
Leitor: Pela Igreja, Povo santo de Deus, e pela unidade               de todos os cristãos, oremos ao Senhor.
Todos: Nós vos rogamos, ouvi-nos Senhor.
 
Cel: Senhor Jesus, que estais presente no meio de nós, quando N. e N. celebram a sua união, recebei as nossas orações e enchei-nos do vosso Espírito.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.
Todos: Amen.

Contacto

Igreja Paroquial
R. Raúl Carapinha, nº 15
1500-541 Lisboa
Tel. 217221350

Email:  secretaria@paroquiasaodomingosdebenfica.pt

Todos os direitos reservados © PARÓQUIA DE S. DOMINGOS DE BENFICA 2017 Realizado por Terra das Ideias